Busca ☰

Desconecte-se do Twitter e desligue o celular, por favor!

Um novo comportamento chamou a minha atenção nas últimas conferências que participei nos EUA. Talvez essa atitude chegue um dia ao Brasil.

Cada vez mais, mediadores de eventos e painelistas estão pedindo para que a plateia desligue os celulares e não fique tuitando durante as palestras. O mote “escute primeiro, escreva depois” ganha espaço.

É irônico isso acontecer. Os palestrantes e organizadores dos eventos eram, até então, os primeiros a incentivar que a audiência usasse “hashtags” específicas e publicasse tweets de forma frenética durante os painéis de uma conferência.

Motivos não faltam para essa nova atitude. O primeiro deles – entre pesquisadores americanos, o consenso cada vez mais comum é de que a ideia de multitarefa é um mito. Ao contrário dos computadores, nós, humanos, não temos a capacidade de executar diversas atividades simultaneamente. Na realidade, o que temos é a habilidade de mudar rapidamente de uma para outra atividade.

Logo, quanto mais rapidamente nos descolamos de uma atividade a outra (tuitar e prestar atenção no palestrante), pior será o nosso desempenho ao processar as informações, posto que o nosso esforço mental será maior.

O outro motivo é mais comportamental. Estar conectado tem múltiplas vantagens – acesso rápido a informações e pessoas. Entretanto, cada vez mais, estamos redescobrindo as vantagens de estar desconectado – maior capacidade de refletir por conta própria, de não pensar somente no presente (em tempo real) e de não se preocupar com a plateia que nos cerca na internet.

Algumas empresas americanas já promovem os chamados “períodos de desconexão“, momentos em que não é permitido enviar/checar emails nem se comunicar com o colega de baia por mensagens eletrônicas. A comunicação deve ser face a face.

Desconectar-se, em algum momento, é a nova ordem.

Até há algum tempo, um executivo que falasse que estava o tempo todo “estressado” e não tinha mais “tempo para a família e o lazer” era visto como um profissional produtivo, moderno, dedicado. Hoje a imagem é justamente contrária. O executivo que a todo momento está “estressado” é visto como uma pessoa com pouco equilíbrio, que não consegue se auto-organizar e dar devido valor e peso a diversos aspectos, como os da vida pessoal, familiar e profissional.

Acredito que o mesmo acontecerá com a pessoa que não consegue se desconectar e dar o devido valor às vantagens de estar desplugado. Como assim, você não consegue se desconectar? Não consegue administrar o tempo para você mesmo? A tecnologia manda em você?

Não acho ruim que tudo isso aconteça. Pelo contrário. É o sinal do começo de um novo comportamento em relação ao digital. Parece que depois de nos lambuzarmos com diversas tecnologias, estamos agora colocando algumas delas em seu devido lugar.

Publicado em cultura digital em